definir como homepage E-mail adicionar aos favoritos sugerir este site a um amigo
 
 
« voltar
Data:2007-07-18
Define direitos dos utentes nas vias rodoviárias classificadas como auto-estradas concessionadas, itinerários principais e itinerários complementares


Define direitos dos utentes nas vias rodoviárias classificadas como auto -estradas
concessionadas, itinerários principais e itinerários complementares A Assembleia da
República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte:
Artigo 1.º
Objecto
A presente lei define direitos dos utentes nas vias rodoviárias classificadas como auto -
estradas concessionadas, itinerários principais e itinerários complementares e
estabelece, nomeadamente, as condições de segurança, informação e comodidade
exigíveis, sem prejuízo de regimes mais favoráveis aos utentes estabelecidos ou a
estabelecer.
Artigo 2.º
Âmbito de aplicação
1 — O disposto na presente lei aplica -se às auto – estradas concessionadas, itinerários
principais e itinerários complementares, nos termos do Plano Rodoviário Nacional
(PRN) vigente, dotados de perfil transversal com faixas separadas e, no mínimo, com
duas vias em cada sentido.
2 — O regime previsto na presente lei aplica-se, com as devidas adaptações, às autoestradas
concessionadas com portagem, sem custos directos para o utilizador.
Artigo 3.º
Definições
Para efeitos do disposto na presente lei, entende -se por:
a) «Auto -estradas» as vias classificadas como tal no PRN e conjuntos viários a elas
associados, incluindo obras de arte, praças de portagem e áreas de serviço nelas
incorporados, bem como os nós de ligação e troços das estradas que os completarem;
b) «Itinerários principais» as vias classificadas como tal no PRN;
c) «Itinerários complementares» as vias classificadas como tal no PRN;
d) «Lanço» as secções em que se divide a auto -estrada;
e) «Sublanço» o troço viário da auto -estrada entre dois nós de ligação consecutivos;
f) «Obras» os trabalhos de alargamento, beneficiação ou reparação nas vias
rodoviárias;
g) «Troço em obras» a extensão em quilómetros de obras, no mesmo sentido, num
lanço de auto -estrada, por um período de tempo superior a setenta e duas horas;
h) «Constrangimentos» quaisquer reduções do perfil transversal da auto -estrada, do
itinerário principal ou do itinerário complementar.
Artigo 4.º
Condições de execução das obras
1 — Quaisquer obras que exijam uma intervenção por um período de tempo superior a
setenta e duas horas são precedidas de um projecto a apresentar pela concessionária,
em estrito cumprimento dos regulamentos e planos e actuação aprovados pelo
Governo.
2 — A aprovação do projecto de obra referido no número anterior é da
responsabilidade do concedente.
3 — Cabe à concessionária o cumprimento integral das medidas previstas no projecto
de execução da obra.
4 — Quando haja discrepância entre as medidas previstas no projecto e os resultados
verificados na obra, a concessionária antecipa, perante o concedente, as necessárias
justificações e as medidas correctivas a implementar.
5 — As medidas correctivas referidas no número anterior carecem de aprovação do
concedente.
6 — O regime previsto no presente artigo aplica-se às vias rodoviárias abrangidas pela
presente lei, que sejam da responsabilidade do Estado.
Artigo 5.º
Condições especiais
1 — A obra com duração inferior a setenta e duas horas, que implique
constrangimentos na mesma faixa ou a ocupação da mesma via pelos dois sentidos de
trânsito, não é abrangida pelas condições mínimas de circulação nos troços em obras,
desde que o concessionário demonstre, perante o concedente, a emergência ou
urgência para a sua realização.
2 — A ocupação da mesma via pelos dois sentidos de trânsito não pode efectuar-se por
períodos superiores a quarenta e oito horas e em distâncias superiores a três
quilómetros e meio, dentro do mesmo sublanço, sendo obrigatório a colocação de um
separador entre as vias.
3 — O disposto nos números anteriores não pode repetir-se nos 90 dias subsequentes.
4 — A obra prevista no n.º 1 obedece às restantes condições de sinalização, apoio e
informação ao utente.
Artigo 6.º
Vigilância e fiscalização das obras
1 — A concessionária deve criar ou reforçar os sistemas de vigilância e fiscalização dos
troços em obras de modo a garantir a boa conservação de toda a sinalização e dos
equipamentos de segurança, a actualização da informação destinada ao utente, bem
como a correcta e atempada rectificação das incorrecções ou deficiências da
sinalização ou dos equipamentos de segurança.
2 — A concessionária indica à concedente, no projecto de obra, qual o técnico
responsável pela sinalização e segurança do troço em obras.
3 — Sem prejuízo do disposto no número anterior, a concessionária supre de imediato
as deficiências relativas à sinalização e segurança de circulação consideradas
necessárias pelo concedente ou pelas autoridades policiais competentes.
Artigo 7.º
Informação aos utentes
1 — A execução de obras que introduza constrangimentos duradouros ou significativos
é previamente publicitada em meios de comunicação social, de âmbitos nacional e
local, designadamente a duração prevista, os tipos de condicionamentos dela
decorrentes e os itinerários alternativos.
2 — A execução de obras é igualmente publicitada na via onde se efectua,
nomeadamente nos lanços e ramais de acesso aos nós que antecedem o troço em
obras, possibilitando ao utente opções alternativas de percurso.
3 — É também publicitada a ocorrência de incidentes que impliquem
congestionamentos no troço em obras, através de meios adequados, designadamente
nos acessos, lanços e áreas de serviço que antecedam o respectivo troço.
4 — Os meios de informação previstos no presente artigo, bem como o conteúdo da
informação a prestar, devem garantir o conhecimento prévio dos utentes,
designadamente quanto às formas de contacto com a concessionária, às condições de
circulação no troço em obras e à opção por alternativas de percurso.
Artigo 8.º
Condições mínimas de circulação nos troços em obras
1 — Durante a execução de obras, as condições mínimas de circulação são as
seguintes:
a) Em cada lanço, existência de um único troço em obras em cada sentido, não
podendo exceder os 10 km;
b) Existência de duas faixas de rodagem em cada sentido;
c) A largura da via do troço em obras não pode ser inferior a dois terços da largura da
via inicial, incluindo a faixa de segurança;
d) O limite máximo da velocidade no troço em obras não pode ser inferior a dois terços
do fixado para o troço em funcionamento normal;
e) Existência de abrigos de segurança em cada 2 km.
2 — Exceptuam -se do disposto nas alíneas b) e c) todos os trabalhos inerentes a
demolição, construção ou manutenção de obras de arte e pavimentação, no período
compreendido entre as 21 e as 7 horas, admitindo-se nestes casos uma via de
circulação em cada sentido com o mínimo de um terço da largura da via respectiva
inicial.
3 — Para efeitos do disposto no número anterior, o limite máximo de velocidade no
troço em obras não pode ser inferior a um terço do estabelecido em circunstâncias
normais.
4 — Para efeitos do disposto nos n.os 2 e 3, a extensão dos constrangimentos ao longo
do troço em obras não pode exceder 3,5 km.
5 — Nas obras com constrangimentos laterais superiores a 2 km, as concessionárias
devem prever procedimentos de intervenção rápida que permitam reduzir ao mínimo
os períodos de obstrução das vias e garantir a segurança e comodidade de circulação
dos utentes.
Artigo 9.º
Incumprimento
1 — O incumprimento do projecto de obra ou de qualquer uma das condições mínimas
de circulação, segurança, sinalização e informação nos troços em obras, previstas nos
artigos anteriores, obriga à restituição ao utente da taxa de portagem paga referente
ao troço ou sublanço em obras.
2 — A declaração de incumprimento é da competência do concedente, bem como o seu
termo.
3 — Em caso de incumprimento, é da responsabilidade do concedente garantir o
estabelecido no n.º 1, utilizando para o efeito o valor da multa contratual aplicável.
Artigo 10.º
Incumprimento nos contratos de concessão a celebrar
1 — O incumprimento do projecto de obra ou de qualquer uma das condições mínimas
de circulação, segurança, sinalização e informação, no troço em obras, previstas nos
artigos anteriores obriga à restituição ou não cobrança, ao utente, da taxa de
portagem referente ao troço ou sublanço em obras.
2 — A declaração de incumprimento é da competência do concedente, bem como o seu
termo.
3 — Em caso de incumprimento:
a) É da responsabilidade do concessionário garantir o disposto no n.º 1;
b) A operação de restituição ou não cobrança da taxa de portagem é, respectivamente,
automática ou por dedução imediata.
4 — O disposto nos números anteriores deve ser consagrado nos contratos de
concessão a celebrar, incluindo os de renovação.
Artigo 11.º
Equilíbrio financeiro
Os incumprimentos previstos nos artigos anteriores não são causa justificativa de
revisão contratual para efeitos de equilíbrio financeiro.
Artigo 12.º
Responsabilidade
1 — Nas auto-estradas, com ou sem obras em curso, e em caso de acidente
rodoviário, com consequências danosas para pessoas ou bens, o ónus da prova do
cumprimento das obrigações de segurança cabe à concessionária, desde que a
respectiva causa diga respeito a:
a) Objectos arremessados para a via ou existentes nas faixas de rodagem;
b) Atravessamento de animais;
c) Líquidos na via, quando não resultantes de condições climatéricas anormais.
2 — Para efeitos do disposto no número anterior, a confirmação das causas do
acidente é obrigatoriamente verificada no local por autoridade policial competente,
sem prejuízo do rápido restabelecimento das condições de circulação em segurança.
3 — São excluídos do número anterior os casos de força maior, que directamente
afectem as actividades da concessão e não imputáveis ao concessionário, resultantes
de:
a) Condições climatéricas manifestamente excepcionais, designadamente graves
inundações, ciclones ou sismos;
b) Cataclismo, epidemia, radiações atómicas, fogo ou raio;
c) Tumulto, subversão, actos de terrorismo, rebelião ou guerra.
Artigo 13.º
Regulação
O Governo regula o disposto na presente lei no prazo de 180 dias.
Artigo 14.º
Entrada em vigor
A presente lei entra em vigor no dia seguinte ao da sua publicação.
Aprovada em 17 de Maio de 2007.
O Presidente da Assembleia da República, Jaime Gama.
Promulgada em 29 de Junho de 2007.
Publique -se.
O Presidente da República, ANÍBAL CAVACO SILVA.
Referendada em 2 de Julho de 2007.
O Primeiro -Ministro, José Sócrates Carvalho Pinto de Sousa.